Tem dias....

Tem dias que queria ficar deitada e tenho a sensação que me levanto sem autorização do resto do meu ser e lá vou…mas eu queria ficar deitada!


Olhar para alguém que eu nunca vi e ter a sensação que já vi e preferia não ter visto. Muito complexo, eu sei! Mas de facto aconteceu-me hoje. Sentei-me numa cadeira em que decidi que não me queria encostar, por ter apreendido após um movimento que outra escolha me poderia dar uma valente queda no chão.

 

Do outro lado do computador deveria estar um ecrã, pois o meu interlocutor poucas vezes colocou os seus olhos em mim. E com um suor estranho a cair da teste me foi fazendo perguntas, daquelas que parecem tontas, mas que afinal são ensaiadas nas faculdades para ser doutor.


- “O que viu ….”

- Tanta coisa, e ainda aquelas que eu não me lembro de ter visto…o que especificamente quer que lhe conte? Disse-lhe eu, escolhendo um tom de brincadeira.

- Tudo!

- Tem tempo?

E ao nosso lado um senhor olhava para o jogo em que a bola rodopiava em cima da mesa. Mas num momento parece-me melhor parar e dar a resposta  que ele esperada e lá contei o que sei que ele gostaria de saber.


Para todos os que deixaram de lembrar a primeira frase, eu recordo que eu queria ficar deitada!


E lá foi a nossa conversa, ou monologo, ainda não entendi! Mas o facto é que eu conversei com as costas de um computador preto, que ainda por cima não dava o meu reflexo, se não tinha-me entretido a mexer no cabelo e ver como ficava. A sensação era que se estivesse calada a vontade de me ouvir iria aumentar e então, de vez em vez calava-me para como que obrigar a que me fossem colocadas perguntas. Afinal eu podia contar tanta coisa, que talvez eles não quisessem ouvir ou eu dizer!


Sai mais pobre do que entrei, pois tinha deixado algumas palavras lá dentro e ainda mais algumas convicções. E isso fez-me sentir mais pobre.

Uma sensação estranha que aquilo que eu tinha dito só dali a umas horas ia fazer sentido para aquelas duas pessoas que me questionaram queriam saber se eu tinha ficado com má impressão das pessoas.


E se eu lhe disse-se que as pessoas não são o seu comportamento. Respeita a pessoa e muda o comportamento…não disse porque escolhi não dizer. Escolhi que aquelas pessoas iriam ouvir isso mas de outra forma e eu vou esperar por essa forma tempo.


E assim fiquei deitada, sem me mexer olhando os pássaros e as minhas pernas a brincar à apanhada sem dizer nada, calada, muda como se a língua não fosse para utilizar.

publicado por Momento de Mudança às 11:21 | comentar | favorito