Medo - quem não possui

Tenho andado por entre pessoas e descoberto algumas coisas sobre o medo.

Existem aqueles que não têm medo! Existem aqueles, que têm medos grande, andar de avião, alturas, bichos, etc… E ainda há aqueles que dizem ter medo de morrer.


Medos há muitos, diria alguém.


Sim, poderá ser verdade que medos há muitos e cada um tem os seus. Mas será que possuímos diferentes possibilidades de reacções ao medo, será que realmente somos tão diferentes na relação com esta realidade que para nos sendo desconhecida, representativa do perigo e que pode colocar a nossa noção de sobrevivência em causa.


Das várias oportunidades que vou tendo de perguntar aos outros os seus medos e como reagem a ele, foi-me dado a constatar 4 reacções ao medo como padrão: Fuga; Ataque; Inércia e ainda Submissão.


Algumas pessoas quando questionadas sobre os seus medos, identificam aqueles que provocam uma alteração de estado muito significativa. Identificando o medo como um perigo iminente, um colocar em causa a sua vida, um deixar de existir ou existir com menos recursos. Neste contexto surge o medo da morte, o medo de ficar doente, o medo pelos filhos, o medo de ficar dependente, o medo de sofrer. E de facto, eu também considero que estes sejam motivos para ter medo, embora neste momento eu esteja também a pensar em outros!

Quando eu exponho alguns dos meus medos, por exemplo de cruzamento, onde eu agora reconheço uma alteração no meu estado de atenção, onde altero até a minha posição no banco do carro, porque tenho medo. Cada elemento naquela sala, para e coloca o mais padronizado ar de pensamento. E surge a pergunta “Então cada situação que nos altera o estado de forma a colocar-nos em alerta pode ser considerado medo”. Sim, porque não?


Para mim as reacções ao medo necessariamente existentes não são necessárias, eu não preciso de gritar para ter medo, eu não necessito de suar para ter medo, eu não necessito de chorar para ter medo. Ter medo, para mim, é uma representação que alerta o meu cérebro para que aquela situação poderá colocar em perigo a minha sobrevivência, enquanto pessoa, mãe ou profissional. Assim, reconhecer a minha reacção dentro das 4 que estabelecemos neste texto como padrões reconheça aquelas que tem aos seus medos e se elas não servirem o seu propósito, altera-as, porque agora sabe o que é capaz de fazer para fazer corresponder uma reacção ao seu propósito!

 

Feitiço desta semana: Olhe os seus medos, escreva-os num papel e depois à frente de cada medo coloque a reacção que reconhece ter e verifique se essa reacção o faz chegar ao seu objectivo, se não faz! Mude. Promova consciente uma nova reacção que é mais favorável e aplique conscientemente quando essa situação se repetir.

Utilize quantas vezes desejar!

publicado por Momento de Mudança às 11:16 | comentar | favorito